TEXTO:
Avaliação do governo Dilma como ótimo ou bom cai para 31%
25/07/2013
Na média nacional, governadores têm avaliação positiva em patamar semelhante
José Cruz/ ABR
​Além do recuo na avaliação do governo, diminuem também a aprovação da maneira de governar e a confiança na presidente.

​Primeira pesquisa CNI/IBOPE Inteligência realizada após a onda de manifestações que se espalhou por todo o país mostra que a popularidade da presidente Dilma Rousseff cai de maneira significativa entre junho e julho deste ano, de acordo com a pesquisa.

Segundo a pesquisa, em julho, o percentual da população que avalia o governo da petista como ótimo ou bom é de 31%, índice que no mês anterior era de 55%. Já o percentual dos que avaliam o governo como ruim ou péssimo salta de 13% para 31%, enquanto os que o consideram regular cresce de 32% para 37%, no mesmo período. 

Além do recuo na avaliação do governo, diminuem também a aprovação da maneira de governar e a confiança na presidente, ambas com 45%. Em junho, os percentuais eram 71% e 67%, respectivamente.

Vale ressaltar que em julho, a parcela da população que desaprova a maneira de governar de Dilma supera a que aprova, atingindo 49%. O percentual dos que não confiam na presidente também se eleva e vai a 50%. Em junho, esse percentual era de 28%.

A queda na popularidade de Dilma também se evidencia na comparação do seu mandato com o do ex-presidente Lula. Em julho, o percentual dos que consideram o atual governo pior que o anterior atinge 46%, ante 25% registrado em junho.  Já o índice dos que consideram os dois governos iguais cai de 57% para 42%, enquanto 10% acreditam que o governo de Dilma é melhor, percentual que em junho era de 16%.

Atuação do governo
De acordo com a pesquisa, quando questionados sobre em quais áreas o governo Dilma apresenta melhor desempenho, 28% dos brasileiros apontam a área da habitação. Na sequência, são indicadas a atuação do governo no combate à fome e à miséria (23%), capacitação profissional (22%), energia elétrica (21%), cultura e lazer (21%), geração de empregos (18%), agricultura (16%), desenvolvimento (14%), meio ambiente (13%), estradas e rodovias (12%), educação (11%) e saneamento básico (8%).

Já entre áreas apontadas com o pior desempenho do governo federal, estão a saúde (71%), segurança pública (40%), educação (37%), combate às drogas (24%), combate à corrupção (21%), salários (15%), impostos (14%), custo de vida (12%), geração de empregos (10%), transporte e mobilidade (9%), fome e miséria (6%) e habitação (5%).

Avaliação do governo por regiões
A popularidade da presidente Dilma é mais elevada na região Nordeste e no Norte/Centro-Oeste, apresentando índices mais baixos no Sudeste.

No Nordeste, o percentual de entrevistados que avaliam o governo Dilma como ótimo ou bom é de 43%, 12 pontos percentuais acima da média nacional. Já na região Sudeste, o percentual cai para 24%. No Sul, esse índice é de 28% e no Norte e Centro-Oeste, 35%.

Os demais indicadores – avaliação da maneira de governar e confiança na presidente – apresentam resultados similares. Na região Nordeste, a maioria da população (58%) aprova a maneira de governar da presidente. Esse percentual atinge 48% no Norte e Centro-Oeste e 41% no Sul, enquanto no Sudeste cai para 37%.

No que diz respeito à confiança na presidente, na região Nordeste e nas regiões Norte e Centro-Oeste, mais da metade da população confia na presidente: 56% e 51%, respectivamente. No Sul, esse índice é de 41% e no Sudeste, 37%.

Principais problemas do país
De uma lista com 25 opções, os entrevistados indicaram os três principais problemas do Brasil. Para a população, área da saúde é a mais crítica, sendo apontada como um dos principais problemas do país por 77% dos brasileiros. Depois aparecem a educação indicada por 39% dos entrevistados, segurança pública e violência (38%), drogas (29%) e corrupção (27%).

Popularidade dos governadores de estado
Os entrevistados também avaliaram os governadores de seus respectivos estados. Dentre os 11 estados avaliados, os governadores mais populares são os de Pernambuco, Paraná, Ceará e Minas Gerais. No outro extremo– menor popularidade – têm-se Rio de Janeiro, Goiás, Rio Grande do Sul e São Paulo.

Na média nacional, 28% da população brasileira considera o governo do(a) governador(a) de seu estado ótimo ou bom. O governo de Pernambuco é considerado ótimo ou bom por 58% da população do estado. No Paraná, o percentual é de 41%, no Ceará de 40% e em Minas Gerais de 36%.

Há, entretanto, estados que ficam abaixo da média da nacional. É o caso do Rio de Janeiro, pior estado avaliado, onde apenas 12% da população considera o governo ótimo ou bom. Depois, abaixo da média, aparecem Goiás, Rio Grande do Sul e São Paulo com 21%, 25% e 26% de avaliação do governo como ótimo ou bom, respectivamente.

Na avaliação da maneira como o (a) governador(a) de seu estado vem atuando, a média nacional de aprovação é de 42%. Dentre os 11 estados considerados, apenas Rio de Janeiro (com 29%), Goiás (34%) e São Paulo (40%) estão abaixo dessa média. O governador de Pernambuco lidera com folga, com 76% de aprovação, seguido pelos governadores do Ceará (54%), Paraná (52%) e Minas Gerais (50%).

O governador de Pernambuco é o que mais inspira confiança entre seus eleitores: 68% da população do estado confia no governador. Esse percentual é de 53% no Ceará e 49% em Minas Gerais. No outro extremo têm-se Rio de Janeiro (25%), Goiás (29%) e São Paulo (34%). A média nacional é 38%.

Manifestações populares
Entre os entrevistados, 84% não participaram, nem tiveram um residente no domicílio que tenha participado das manifestações populares. No total, 9% dos respondentes participaram das manifestações e 6% responderam que algum residente no domicílio participou.

Na faixa etária de 16 a 24 anos, 12% responderam que foram às manifestações, percentual que cai para 3% entre os entrevistados com 50 anos ou mais. A participação também é maior à medida que aumenta o nível de instrução e a renda familiar do entrevistado.

Mas independente de ter participado ou não dos protestos, 89% dos brasileiros se posicionam a favor das manifestações, sendo que 39% ressaltaram, espontaneamente, que são a favor desde que sem violência.

Apenas 9% da população se posicionam contra as manifestações, sendo que quanto maior a idade do entrevistado, mais alto o percentual dos que são contrários às manifestações. Entre os entrevistados com 50 anos ou mais, 15% são contra. A posição contrária também é maior entre os com menor grau de instrução (17% entre os com até a 4ª série do fundamental) e menor nível de renda familiar (16% entre os com até um salário mínimo).

Sobre a pesquisa
Entre os dias 9 e 12 de julho, o IBOPE Inteligência realizou 7686 entrevistas em 434 municípios, sendo 2.002 entrevistas para amostra nacional, e complemento de 5.684 entrevistas em 11 Estados. Nos estados da Bahia, Ceará, Pernambuco, Espírito Santo , Paraná, Santa Catarina , Rio Grande do Sul e Goiás foram feitas 602 entrevistas e, 812 entrevistas nos Estados de São Paulo , Rio de Janeiro e Minas Gerais. O intervalo de confiança é de 95% e a margem de erro é de 2 pontos percentuais para a amostra nacional, de 3 pontos para os Estados com 812 entrevistas e de 4 pontos percentuais nos Estados onde foram realizadas 602 entrevistas.

Clique aqui para visualizar o relatório de tabelas da pesquisa.

Confira os relatórios por estado:

Bahia

Ceará

Espírito Santo

Goiás

Minas Gerais

Paraná

Pernambuco

Rio de Janeiro

Rio Grande do Sul

Santa Catarina

São Paulo

 

 

Comentários
Ainda não foram adicionados comentários para esta página. Seja o primeiro a comentar.
TAGS
Opinião pública; CNI
 

 Notícias Relacionadas

 
 
40% dos brasileiros acham que eventual governo de Michel Temer seria ruim ou péssimo
17/dez/2015
Expectativa é baixa até mesmo entre os favoráveis ao impeachment de Dilma
Hoje, 70% dos brasileiros consideram governo Dilma ruim ou péssimo
15/dez/2015
82% da população desaprova a maneira de governar da presidente
 

 Soluções Relacionadas

 
Pesquisa realizada com a população para avaliar conhecimento e notoriedade de marcas
Bus
Pesquisa multiclientes com periodicidade mensal e representatividade nacional.
Bus
​Pesquisa multiclientes com periodicidade mensal e representatividade nacional.
Análises a percepção do público com relação a campanhas de comunicação
 
PUBLICIDADE
Saiba mais sobre a marca Kantar IBOPE Media
Conheça o portfólio da Kantar IBOPE Media
Acompanhe nossos perfis e saiba todas as novidades da Kantar IBOPE Media