TEXTO:
Para brasileiros, Igreja Católica deve aceitar que padres se casem
06/01/2014
Pesquisa aponta que 80% da população é a favor de um novo casamento religioso para divorciados
shutterstock
​80% dos brasileiros são a favor de que divorciados se casem religiosamente de novo
​Quase sete em cada dez brasileiros (65%) são a favor de que a Igreja Católica passe a aceitar que padres possam se casar e constituir família. É o que mostra uma pesquisa do IBOPE Inteligência/CNT (Confederação Nacional dos Transportes) para a revista Época.

Ainda segundo o estudo, a população se divide com o fato de que mulheres exerçam o papel de padres: 48% são contra e 46%, a favor. Por outro lado, a maioria (74%) é contra a ideia de que a Igreja Católica aceite padres homossexuais/gays e 64% são contra a possibilidade de pessoas que não fizeram seminário celebrar missas.
 
O estudo também mostra que para 60% dos brasileiros, atualmente, o maior problema da Igreja Católica são os casos de pedofilia, seguidos da corrupção (16%) e do distanciamento da realidade dos fieis (8%).
 
Quando questionados se um pessoa fere os preceitos de sua religião, independente de qual seja, se fizer aborto, 69% dos entrevistados respondem que sim e 27%, que não. Já para o uso de pílula anticoncepcional ou camisinha, o resultado inverte: a maioria (73%) não considera que os preceitos de uma religião são feridos ao utilizar esses métodos contraceptivos, assim como 61% dizem que sexo antes do casamento não fere os princípios de uma religião. Mas, a população fica dividida quando o tema é homossexualidade: para 45%, ser  homossexual é ferir os preceitos de uma religião, enquanto 49% discordam.
 
A pesquisa também perguntou se um líder religioso deve ser acusado pelo crime de homofobia se pregar contra homossexuais: grande parte (60%) declara que sim e 55% também acham que o tema homossexualidade deve ser incluído no currículo das aulas de educação sexual. 
 
Casamento - Oito em cada dez brasileiros (80%) são a favor de que divorciados se casem religiosamente de novo, 76% são favoráveis à ideia de que instituições religiosas celebrem matrimônios entre casais que já tiveram relação sexual e 62% apoiam a celebração religiosa de casamentos entre casais que não praticam a religião na qual vão se casar. Por outro lado, 61% são contra a possibilidade das instituições religiosas realizarem a união entre pessoas do mesmo sexo. 
 
Francisco - Depois da escolha do novo papa, a confiança de 37% dos brasileiros na Igreja Católica aumentou, enquanto apenas 4% dizem que diminuiu. No entanto, para a maioria da população (59%), a confiança permaneceu a mesma.
 
Dos 2.002 entrevistados entre os dias 5 e 9 de dezembro de 2013, em 141 municípios, 61% são católicos, 24% evangélicos e 4% de outras religiões. Mais da metade  (59%) declara ser praticante. Os que não tem religião somam 10%.  A margem de erro é de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.
Comentários
Mateus Silva
17/out/2014
A única coisa que gostaria de deixar sobre minha posição, é que nossos líderes religiosos e em meu caso especificamente digo sobre a Igreja Católica, PRECISA URGENTEMENTE DEIXAR A HIPOCRISIA . Vejamos, por exemplo sobre o celibato. Todos sabemos bem que fundamentação maior que existe para o celibato, foi o cuidado da " Santa Madre Igreja " com o patrimônio da Igreja , não tendo nada com espiritualidade, até porque os primeiros padres , alguns com um nível elevadíssimo de santidade, eram casados, a começar pelo próprio Pedro, considerando-se que o próprio Jesus curou a sogra de Pedro, portanto é claro que Pedro era casado. Está mais do que na hora de a Igreja sair da hipocrisia e caminha verdadeiramente rumo a luz, vivendo mais a espiritualidade, o amor, a caridade, o perdão pregado por Jesus, ao invés de ficar unicamente preocupada com seu próprio umbigo, com seu poderio e com seu dinheiro.
Laércio Souza
13/mar/2014
Caro Júlio, chega a ser um desrespeito vc acusar uma empresa com história no mercado de pesquisa como o IBOP, de ser ligado a esquerda ou a direita. Mais vamos ao mérito: Essa esquerda que está ai mudando a cara do Brasil, foi construída com o apoio da igreja católica e ainda encontra um grande apoio nessa mesma igreja, graças a Deus. Acredito que vc tenha razão quando diz que os padres não devem contrair matrimônio, pois isso seria um impecílio a dedicar-se totalmente ao seu ofício de pastor. No entanto, acrescento que ai, ele também não deveria se envolver na administração paroquial, não deveria bebericar de vez em quando, não deveria fazer política nos templos,e outras coisas mais, pois lhe toma bastante tempo, assim, o padre deve tão somente pregar!
Warner Corrêa Munhê
06/fev/2014
O Julio Rasec comentou, dizendo que o celibato é importante, para o padre ter mais tempo para dedicar-se ao sacerdócio. No entanto, pastores se casam e dedicam mais tempo que padres ao ministério. Basta comparar o número de visitações que cada um faz.
irani bento
17/jan/2014
os padres devem sim ter o livre arbítrio de se casarem ou não aqueles que optarem por família ficarão em paróquias e os que não se casarem que saiam em missoes o que nõa pode é gay ser padre não orna nhé e quanto a pedofília essa deve ser extirpada como diz a biblia se teu olho direito te faz tropeça arranca -o fora
Comunicação IBOPE Inteligência
13/jan/2014
Prezado Julio, Respeitamos sua opinião, mas esclarecemos que todas as pesquisas realizadas pelo IBOPE em mais de 70 anos de existência são pautadas em critérios técnicos da ciência estatística. Elas representam a população em estudo, pois todos os grupos sociais e as várias regiões geográficas aparecem na amostra em proporção muito próxima à da população pesquisada. Os resultados das nossas pesquisas refletem fielmente o que encontramos na interlocução com as pessoas que entrevistamos e independem totalmente dos interesses de quem nos contrata. Convidamos você a navegar em nosso site para conhecer quais são as unidades de negócio do Grupo. Em dúvidas frequentes você pode conhecer um pouco mais sobre como são selecionadas as pessoas entrevistadas: http://www.ibope.com/pt-br/relacionamento/duvidas-frequentes/Paginas/Participacao-em-pesquisas.aspx Agradecemos seu interesse em nosso trabalho.
Julio Rasec
10/jan/2014
Caríssimo Padre Ismael, A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo e as bênçãos de Maria! Antes de tudo, agradeço-lhe pela missão sacerdotal a serviço da Diocese, anos atrás. Sem dúvidas, influenciou em minha conversão. A questão que propõe a pesquisa é de extrema descrédito, isto porquê esta agência de pesquisa, muito tem contribuído para esquerda no Brasil. E quando propomos a analisar o que está por de trás disso, é destruição da Moral Cristã. Ação interpelada neste país por militantes comunistas, que facilmente, é evidenciado nas fontes primárias. Implantação do Comunismo no país! Você, alguma vez, já foi entrevistado por essas agências de pesquisas? Como padre? Jornalista? São muitos os que hoje questionam a necessidade e o valor do celibato sacerdotal. Com efeito, numa sociedade tão secularizada como a nossa, hedonista ao extremo, para a qual a sexualidade é tão-somente um conjunto de impulsos biológicos, sem mais, não é surpresa a incompreensão ao dom do celibato sacerdotal. Daí a pertinência de sua questão, que nos dá a possibilidade de defendermos este dom concedido à Igreja contra seus inimigos. O celibato sacerdotal é, antes de mais nada, um dom. Um dom precioso, concedido por Deus a Sua Santa Igreja. Somente à luz do exemplo de Cristo é que se pode entender o celibato sacerdotal. Ora, Cristo é o Sumo Sacerdote (Hebreus 4,14) e exemplo máximo para todo ministro sagrado. E Ele, Cristo, optou por uma vida de celibatário; e não só optou, como recomendou-a aos seus: “Há eunucos que o são desde o ventre de suas mães, há eunucos tornados tais pelas mãos dos homens e há eunucos que a si mesmos se fizeram eunucos por amor do Reino dos céus. Quem puder compreender, compreenda” (João 19,12). O sacerdote se insere neste último grupo de eunucos: é por amor ao Reino dos Céus que ele opta pela renúncia ao exercício de sua sexualidade, para que assim possa estar mais livre e mais despreocupado, de tal maneira que mais eficazmente desempenhará sua função de ministro sagrado. E Nosso senhor Jesus Cristo sabia que muitos se oporiam a isto (como os protestantes e modernistas), tanto que antes mesmo dissera: “Nem todos são capazes de compreender o sentido destas palavras, mas somente aqueles a quem foi dado” (Mateus 19,11 Pois bem, na Encíclica Sacra Virginitas, Pio XII ensina: “A sagrada virgindade e a perfeita castidade consagrada ao serviço de Deus contam-se sem dúvida entre os mais preciosos tesouros deixados como herança à Igreja pelo seu Fundador. Por isso, os santos padres observam que a virgindade perpétua é um bem excelso nascido da religião cristã. [...] De fato, desde os tempos apostólicos viceja e floresce esta virtude no jardim da Igreja” (nn.1-3). “Mas há ainda outra razão para abraçarem o estado de virgindade todos os que se querem dedicar completamente a Deus e à salvação do próximo. Os santos padres enumeram todas as vantagens, para o progresso na vida espiritual, de uma completa renúncia aos prazeres da carne. Sem dúvida - como eles claramente fizeram notar - tal prazer, legítimo no casamento, não é repreensível em si mesmo; pelo contrário, o uso casto do casamento está nobilitado e santificado por um sacramento. Todavia, tem de se reconhecer igualmente que as faculdades inferiores da natureza humana, em conseqüência da queda do nosso primeiro pai, resistem à reta razão e algumas vezes até levam o homem a cometer atos desonestos. Como escreve o Doutor Angélico, o uso do matrimônio ‘impede a alma de se entregar completamente ao divino serviço’. Para os ministros sagrados conseguirem essa liberdade espiritual de corpo e alma, e para não se embaraçarem com negócios terrenos, a Igreja latina exige-lhes que se obriguem voluntariamente à castidade perfeita” (nn. 20-21)
cremilda ap nunes
09/jan/2014
tbm sou a favor o casamento catalolico na igreja para divorciado acho q é o sonho de todas mulheres e tem muitas q nao realisaram o sonho no primeiro casamento por algum motivo e agora poderia ter o casamento do sonho quanto ao papa acho o mais simpatico de todos papa isso q nem sou catolica só q tenho direito de opinar
Daianne Mendes
09/jan/2014
Muito interessante essa pesquisa,gostei muito do tema.
José Ari Soares e Silva
09/jan/2014
Acho importante sim que os padres possam contrair matrimônio, afinal Deus criou o homem e a mulher para viverem juntos.
TAGS
Opinião pública; Religião
 

 Notícias Relacionadas

 
 
40% dos brasileiros acham que eventual governo de Michel Temer seria ruim ou péssimo
17/dez/2015
Expectativa é baixa até mesmo entre os favoráveis ao impeachment de Dilma
Hoje, 70% dos brasileiros consideram governo Dilma ruim ou péssimo
15/dez/2015
82% da população desaprova a maneira de governar da presidente
 

 Soluções Relacionadas

 
Bus
​Pesquisa multiclientes com periodicidade mensal e representatividade nacional.
Pesquisa realizada com a população para avaliar conhecimento e notoriedade de marcas
Monitora a confiança da população em instituições e grupos sociais.
Bus
Pesquisa multiclientes com periodicidade mensal e representatividade nacional.
 
PUBLICIDADE
Saiba mais sobre a marca Kantar IBOPE Media
Conheça o portfólio da Kantar IBOPE Media
Acompanhe nossos perfis e saiba todas as novidades da Kantar IBOPE Media