Pesquisas do IBOPE Inteligência mostram as avaliações dos eleitores sobre os 26 prefeitos das capitais brasileiras
18/09/2012
Apenas cinco apresentam mais de 50% de avaliações positivas (ótima + boa). Em 2008, as avaliações eram bem melhores: 14 estavam na mesma situação.

​As administrações públicas são constantemente avaliadas por eleitores de todo o Brasil, o que funciona como um termômetro da satisfação dos eleitores com a gestão do administrador público. Com base nas diversas pesquisas realizadas pelo IBOPE Inteligência é possível estabelecer um ranking dos prefeitos, calculado a partir do saldo entre as avaliações positivas (ótima + boa) e as avaliações negativas (ruim + péssima).

Para Márcia Cavallari, CEO do IBOPE Inteligência, um dado que chama a atenção é o fato de que, há quatro anos, o número de prefeitos que tinham avaliação positiva era muito maior que a atual. “Hoje, apenas cinco estão nessa situação e, em 2008, tínhamos um total de 14 prefeituras bem avaliadas. Outro dado interessante é que, em 2008, a avaliação média de todas as administrações era de 53% entre ótima e boa. Em 2012, esse mesmo indicador da média cai para 34%”, diz a diretora.

Em sua análise, Márcia também observa em especial os pleitos onde a reeleição de prefeitos está em jogo. “Dos 26 prefeitos atuais, apenas 8 concorrem à reeleição, sendo que todos são competitivos e têm chances de serem reeleitos. Em 2008, 20 concorreram à reeleição e 19 foram reeleitos. Apenas Serafim Côrrea perdeu, tendo, na época, 33% de avaliação positiva”, informa a diretora. 

No cenário atual, Nelsinho Trad (PMDB), prefeito de Campo Grande (MS), e Raimundo Angelim (PT), de Rio Branco (AC), dividem a primeira colocação no ranking.

Nelsinho tem sua administração avaliada como positiva por 68% dos eleitores da cidade, contra 7% que a avaliam como negativa. O saldo é positivo em 61 pontos percentuais. Com o mesmo saldo, Raimundo tem 67% de avaliações positivas, mas apresenta o menor índice de avaliação negativa entre todas as capitais: 6%.
Na sequência dos administradores mais bem avaliados, José Fortunati (PDT), prefeito de Porto Alegre (RS), ocupa a 3ª colocação e atinge 51% de avaliações positivas, com um saldo positivo de 42 pontos percentuais.

Apesar de Márcio Lacerda (PSB) receber avaliação positiva de 55% do eleitorado, fica atrás do prefeito de Porto Alegre devido ao saldo entre a avaliação positiva (55%) e negativa (14%) ser menor que o do anterior. O prefeito de João Pessoa (PB), Luciano Agra (PSB), alcança avaliação positiva de 52% e negativa de 11%, ficando com o mesmo saldo de 41 pontos percentuais. Ele divide, portanto, a 4ª colocação com Márcio Lacerda, de Belo Horizonte (MG).

Administrações com piores avaliações
Na outra ponta do ranking, a prefeita de Natal (RN), Micarla de Souza (PV), aparece na 26ª colocação, a última do ranking, com 92% de avaliação negativa e apenas 1% de avaliação positiva. 

A administração do prefeito Iradilson Sampaio (PSB) recebe avaliação positiva de 9% da população, ante 74% de avaliação negativa, ocupando a 25ª posição no ranking.

Por sua vez, o prefeito de Salvador (BA), João Henrique (PP) é avaliado positivamente por 8% da população, mas tem um índice menor de avaliação negativa (67%), que o deixa na 24ª posição, superando o prefeito de Boa Vista graças ao saldo obtido.

Na 23ª posição aparece Chico Galindo (PTB), prefeito de Cuiabá (MT). A administração pública é avaliada como ótima ou boa por 10% e como ruim ou péssima por 59% do eleitorado.

Por fim, Gilberto Kassab (PSD), de São Paulo, e Raul Filho (PT), de Palmas, figuram empatados na 21ª colocação, isto é, a quinta pior colocação na leitura invertida do ranking. Na capital paulista, Kassab tem avaliação positiva de 17% e negativa de 47%. Já em Palmas, 19% consideram a gestão de Raul Filho como ótima e boa. Ambos totalizam 30 pontos de saldo.

Confira todo o ranking das capitais abaixo:

Ranking
Município
Prefeito
Partido
Avaliação positiva
(ótima + boa)
%
Avaliação negativa (ruim +péssima)
%
Saldo
(em pontos percentuais)
1
Campo Grande
Nelsinho Trad
PMDB
68
7
61
1
Rio Branco
Raimundo Angelim
PT
67
6
61
3
Porto Alegre
José Fortunati (*)
PDT
51
9
42
4
Belo Horizonte
Marcio Lacerda (*)
PSB
55
14
41
4
João Pessoa
Luciano Agra
PSB
52
11
41
6
Rio de Janeiro
Eduardo Paes (*)
PMDB
49
14
35
7
Porto Velho
Roberto Eduardo Sobrinho
PT
47
17
30
8
Maceió
Cícero Almeida
PP
45
17
28
9
Teresina
Elmano Férrer (*)
PTB
42
18
24
10
Goiânia
Paulo Garcia (*)
PT
41
19
22
11
Curitiba
Luciano Ducci (*)
PSB
41
20
21
12
Florianópolis
Dário Berger
PMDB
37
23
14
13
Aracaju
Edvaldo Nogueira
PCdoB
30
30
0
14
São Luís
João Castelo (*)
PSDB
29
31
-2
14
Vitória
João Coser
PT
29
31
-2
16
Macapá
Roberto Goés (*)
PDT
31
35
-4
17
Manaus
Amazonino Mendes
PDT
28
34
-6
18
Belém
Duciomar Costa
PTB
23
36
-13
19
Fortaleza
Luiziane Lins
PT
25
39
-14
20
Recife
João da Costa
PT
22
42
-20
21
Palmas
Raul Filho
PT
19
49
-30
21
São Paulo
Gilberto Kassab
PSD
17
47
-30
23
Cuiabá
Chico Galindo
PTB
10
59
-49
24
Salvador
João Henrique
PP
8
67
-59
25
Boa Vista
Iradilson Sampaio
PSB
9
74
-65
26
Natal
Micarla de Sousa
PV
1
92
-91

 (*) Prefeitos que concorrem à reeleição

Ficha técnica das pesquisas:
JOB
MUNICÍPIO
Período de
campo
Tamanho da Amostra
Margem de
 erro amostral (p.p.)
Número do Registro
12_1750-1
Campo Grande
13 a 15/08
602
4
MS-00080/ 2012
12_1800-1
Rio Branco
14 a 16/08
602
4
AC-00004/ 2012
12_1209-17
Belo Horizonte
02 a 04/09
805
3
MG-00345/ 2012
12_1802-1
João Pessoa
7 a 09/09
602
4
PB-00039/ 2012
12_0573-1
Porto Alegre
28 a 30/08
805
3
RS-00099/ 2012
12_1209-10
Rio de Janeiro
 02 a 04/09
805
3
RJ-00074/ 2012
12_1799-1
Porto Velho
18 a 20/08
602
4
RO-00087/ 2012
12_1444-1
Maceió
11 a 13/08
602
4
AL-00008/ 2012
12_1380-1
Teresina
 11 a 13/08
602
4
PI-00176/ 2012
12_1446-2
Curitiba
21 a 23/08
602
4
PR-00066/ 2012
12_1801-1
Goiânia
27 a 29/08
602
4
GO-00141/ 2012
12_1311-2
Florianópolis
28 a 30/08
805
3
SC-00142/ 2012
12_1797-1
Macapá
07 a 09/08
602
4
AP-00001/ 2012
12_1807-1
Aracaju
14 a 16/08
602
4
SE-00018/ 2012
12_1805-1
São Luís
20 a 22/08
805
3
MA-00108/ 2012
12_1803-1
Vitória
15 a 16/08
504
4
ES-00036/ 2012
12_1798-1
Manaus
13 a 15/08
602
4
AM-00013/ 2012
12_1665-2
Fortaleza
27 a 29/08
805
3
CE-00022/ 2012
12_1804-2
Belém
28 a 30/08
602
4
PA-00061/ 2012
12_1209-25
Recife
31/08 a 01/09
805
3
PE-00094/ 2012
12_1670-1
Palmas
27 a 29/08
504
4
TO-00083/ 2012
12_1209-3
São Paulo
28 a 30/08
1001
3
SP-00605/ 2012
12_1754-1
Cuiabá
24 a 26/08
602
4
MT-00149/ 2012
12_1796-1
Boa Vista
18 a 20/08
602
4
RR-00001/ 2012
12_1541-2
Salvador
21 a 23/08
602
4
BA-00078/ 2012
12_1421-1
Natal
02 a 04/09
602
4
RN-00081/ 2012
 

 

 

 
Comentários
ATENÇÃO: Os comentários publicados nesta seção são de responsabilidade integral de seus autores e não representam a opinião do IBOPE. Lembramos que não são permitidas mensagens com propagandas ou conteúdos ofensivos e desrespeitosos.
João Paulo
19/mai/2014
O pior prefeito do Brasil em 2013 e 2014 é Cezar de Preto da cidade de Ouricuri PE. Este só sabe desviar verbas para seu próprio benefício e fazer festas com o dinheiro público. Não investe um centavo em educação, saúde, segurança e infraestrutura no município. O mesmo era agricultor e em pouco mais de um ano como prefeito, já é um dos homens mais ricos da região, apioado por outros corruptos, ele consegue enganar as pessoas e seu patrimônio só vem crescendo, por causa da corrupção. O mal de tudo isso, é que os moradores desta cidade não tem a quem recorrer, pois as autioridades que deveriam investigar esses fatos, parecem que também são favorecidas com o mal uso do dinheiro público. ISSO É BRASIL, ISSO É UMA VERGONHA.
Solange couto
17/mai/2013
Deveria existir piores prefeitos do interior também Araras com o Dimas Brambilla do PT é o pior quie já tivemos aqui PT NUNCA MAIS
Ana Clara Fabrino
01/out/2012
Muito bom ver esta avaliação de prefeitos. Valeria ter esta avaliação por deputados, senadores e, claro, se possível por vereadores. Não temos, nós eleitores, o hábito de avaliar e até prestar atenção no desempenho dos que elegemos. Um índice que acompanhasse a avaliação ( claro que nem sempre esta avaliação significa desempenho), mas criando uma margem que indicasse o conhecimento que o eleitor tem sobre o que o parlamentar faz e se ocupa.
TAGS
Política e eleições; Avaliação de governo; Prefeituras
 

 Notícias Relacionadas

 
 
83% da população é a favor da redução da maioridade penal
17/set/2014
Quase 80% são contra legalização do aborto e da maconha
IBOPE Inteligência lança app de eleições para tablet e smartphone
08/set/2014
Ferramenta oferece acesso rápido às pesquisas eleitorais
 

 Soluções Relacionadas

 
Resultados eleitorais diários e médias móveis, entregues em 24 horas.
Mensura a percepção que as pessoas têm de um candidato.
Monitora a satisfação dos usuários de serviços públicos e privados.
Identifica e mensura o impacto dos acontecimentos numa campanha.
 
PUBLICIDADE
Compra Online
Customize seu próprio relatório definindo parâmetros como categorias de produtos, praças, meios e períodos de seu interesse.
Negócios
Para oportunidades de negócios com o IBOPE, registre e faça o cadastro de sua empresa no E-Suprir.